Pós-Graduação em Serviço Social na Saúde

Resumo:

Toda a pessoa que passe por um processo de doença tem sempre subjacentes alterações de ordem familiar, pessoal, profissional, económica ou outra (Chancosa & Galán, 2012 citado por Santo, 2016), demonstrando a pertinência da dimensão social na conceção e prestação dos cuidados de saúde. As implicações decorrentes de um processo de doença colocam novas questões e desafios às dinâmicas individuais e familiares, as ruturas podem ser temporais ou indefinidas, dependendo do tipo de patologia e suas sequelas. Assim, entender o processo de doença, o seu prognóstico e os tipos de tratamento é fulcral. Talvez por isso Gregorian (2005) sublinhe que, os assistentes sociais que trabalham em saúde são especialistas sobre as questões psicossociais associadas às doenças e que necessitam de forma constante, desenvolver e atualizar uma base de conhecimentos mais ampla sobre a fisiologia da doença, de competências e habilidades para garantir uma intervenção de qualidade, um bom diagnóstico social, e a capacidade de elaborar um plano de intervenção adequado a cada situação particular.  
O Serviço Social na área da saúde surge associado a uma função histórica no acesso aos cuidados de saúde e na qualificação e humanização dos serviços. Tem-se vindo a assistir progressivamente, à elaboração e identificação de distintos indicadores da qualidade nas organizações de saúde enquanto premissa para a adesão a padrões de mais elevada qualidade nos cuidados de saúde ao sujeito (Almeida  et al, 2010). A intervenção do “assistente social no percurso do doente nos serviços prestadores dos cuidados médicos, de enfermagem, de educação, de reabilitação, e sociais” (DGS, 2004:2) assume relevância nas práticas de cuidados de qualidade, dependendo fundamentalmente de dois fatores “de uma boa prática e do modo como estão organizados e são prestados os serviços (Pisco , 2011:43).
A mutação de paradigma que temos vindo a observar cada vez mais, ao longo das últimas décadas, na área da saúde dá ênfase a uma medicina modernizada não apenas no que diz respeito aos avanços tecnológicos, mas também pela sua dimensão cada vez mais humanizante, inter, multi e transdisciplinar (Cortês , 2017). A saúde está longe de ser uma área exclusiva da “biomedicina”, assumindo-se, desde sempre, como um “fenómeno social”, tendo uma natureza cultural, biopsicossocial e espiritual (Cortês , 2015).
O Serviço Social é manifestamente uma doutrina ordenada por conhecimentos, princípios/valores/atitudes e habilidades, onde a prática ocupa um lugar muito relevante. É, uma disciplina que confere competências muito específicas, onde o profissional está habilitado para trabalhar com os diferentes estádios do desenvolvimento do ser humano e em distintos contextos de prática (Cortês, 2015). De acordo com Ferreira (2014 ), “o assistente social é, nos nossos dias, um profissional que necessita de ser objeto de formação - humana, teórica e técnica, devendo ser encarado”, segundo o autor, “como um cientista social”.
A necessidade de uma intervenção do Serviço Social sustentada pela qualidade na relação com os valores e normas de conduta de cada pessoa, fortificados pelos códigos de ética do assistente social devem ser entendidos como imperativos elementares para todas as organizações de saúde. A inclusão da qualidade no agir do assistente social converte-se assim, numa exigência ética das organizações (Barriga  (2000).
A qualidade e o sustento de uma prestação de cuidados de excelência e rigorosos parecem ser temas cada vez mais presentes nas organizações de saúde e sociais, particularidades fundamentais para o fomento da humanização e eficiência dos serviços e intervenções prestadas.
A avaliação e medição da qualidade da prática profissional adquire um significado de relevância na criação de “indicadores para medir e monitorizar os níveis de qualidade dos cuidados prestados” (Sousa , 2010:26). Para classificar e identificar práticas indesejáveis na intervenção do Serviço Social no domínio da Saúde, é fundamental a criação de um sistema integrado, sólido e uniforme, com procedimentos específicos que espelhem as práticas profissionais dos assistentes sociais. Estes pressupostos de qualidade intrínsecos à prática do Serviço Social, aliados a critérios de intervenção planeados, precisos, organizados, registados, monitorizados e avaliados têm um impacto muito positivo na melhoria da qualidade de vida das pessoas, acrescentando concomitantemente valor às organizações e aos sujeitos envolvidos (Santo , 2016).
No “século XXI, o Serviço Social deve ser perspetivado como uma disciplina que, imperativamente, problematiza as questões sociais a fim de, por meio da sua intervenção/conhecimento, alcançar e desenvolver competências teóricas, operativas e de pesquisa” (Ferreira, 2014:338-339).
O curso de pós-graduação em Serviço Social na Saúde, é uma aposta inovadora que alia a formação especializada e sustentada à promoção de níveis de intervenção de qualidade aos utentes que recorrem aos serviços de saúde.
Visa proporcionar aos assistentes sociais uma formação especializada numa área do conhecimento atual, com elevada pertinência social e que releva o papel do assistente social nos diversos contextos no Sistema Nacional de Saúde. Ao proporcionar um conjunto de conhecimento teórico e prático, assim como as competências específicas para garantir uma intervenção de qualidade, de um diagnóstico social e a capacidade de elaborar um plano de intervenção adequado e integrado em saúde.

Mais informações

Na Imprensa


Apresentação:

Aposta inovadora que alia a formação especializada e sustentada à promoção de níveis de intervenção de qualidade aos utentes que recorrem aos serviços de saúde

Áreas temáticas:

Serviço Social

Programa:

1ºSemestre
Abordagens Integradas do Serviço Social na Saúde
Bio-Ética e Direitos Humanos na Saúde
Políticas de saúde /O Portal do Sns ao Serviço do Cidadão / transformação digital, inovação e bem estar social
Modelo de competências para a prática do Serviço Social na Saúde

Optativa

2ºSemestre
Boas Práticas & Inovação em Saúde
Cuidados Sociais de Saúde no Domicílio
Métodos de Análise de Dados
Seminário de Prática Diferenciada no Campo de Intervenção do Serviço Social na Saúde
Técnicas de Apoio à Decisão e Ferramentas de Gestão da Qualidade em Saúde

Destinatários:

Licenciatura em Serviços Social ou nas áreas de ciências Sociais e Humanas e ciências Médicas

Coordenação:

Jorge Manuel Leitão Ferreira
Inês Espírito Santo

Equipa docente:

Jorge Manuel Leitão Ferreira
Inês Espírito Santo
Alexandra Sofia Pedro Ramos Cortês
Pedro Manuel Morim de Sá Moreira
Margarida Maria Santos Rodrigues Silva Eiras
Sónia Guadalupe dos Santos Ribeiro Neves de Abreu
Helena Maria Barroso Carvalho
Patrícia Alexandra Antunes Barbosa

Informações Gerais:

ECTS:

60

Data de realização:

207 horas presenciais /2semestre | Início em Outubro 2019 | pòs-Laboral | 2 dias por semana (a anunciar) com início às 18:00

Custo:

Curso Completo: 2 250,00€ ao qual acresce o valor de inscrição (30,00€) e de candidatura (50,00€)

Descontos 10%:
Instituições que inscrevam 3 ou mais participantes 
ALUMNI do ISCTE-IUL inscritos na Associação

Descontos 20%
Associados do IPPS
Alunos do ISCTE-IUL

Local:

ISCTE-IUL | Lisboa

Vagas:
30

Datas de candidatura:

1ª Fase: 26 de fevereiro a 06 de maio
2ª Fase: 08 de maio a 17 de julho
3ª Fase: 06 de agosto a 02 de setembro

PROCEDIMENTOS DA CANDIDATURA

Consulte os critérios de seleção e seriação 2019/2020 [Brevemente disponível]

Datas de inscrição:

1ª Fase: 20 de maio a 27 de maio
2ª Fase: 29 de julho a 05 de agosto
3ª Fase: 16  a 23 de setembro

Contactos:

IPPS-IUL – Instituto para as Políticas Públicas e Sociais
Av. das Forças Armadas, Edifício I, Gabinete 2SE03, 1649-026 Lisboa
Horário de atendimento:
De segunda a sexta feira das 10h00 – 13h00 | 14h30 – 18h00
Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Telefone: 210 464 021/210 464 316